SOBRE A NUMEROLOGIA PITAGÓRICA

Grécia Antiga 600 AC.

A vida era muito mais fácil. E por ser mais fácil tornava-se mais interessante.

As opções eram poucas e por ter poucas opções os Homens dedicavam-se a entender as pessoas, o mundo e consequentemente o Universo e seu Criador.

Não havia recursos significativos para serem utilizados na busca desses conhecimentos e descobertas.

Como não havia quase nenhum recurso tecnológico disponível o Homem tinha que utilizar do recurso mais primitivo, que por ser primitivo tornou-se o mais aprimorado, a contemplação.

O simples fato de olhar e sentir as pessoas, a vida, o universo, o Criador.

Contemplar!

Suas expectativas miravam-se nas descobertas.

Suas atitudes baseavam-se na não interferência nos fatos, mas sim, na retirada do véu que encobre a lógica implantada nos movimentos de todos os seres vivos.

Se contemplar a si, o ser humano descobriria a Humanidade.

Ao descobrir a Humanidade entenderia o Universo.

Ao entender o Universo estaria próximo do Criador.

A contemplação indicava haver uma lógica na dança universal.

Todos os seres vivos, planetas e galáxias se moviam num círculo de equilíbrio perfeito.

Como se estivessem amarrados, porém autônomos, porém ligados.

Que lógica seria essa que une a todos num conjunto circular enorme e harmônico e que ao mesmo tempo lhes proporcionam a liberdade nos movimentos?

As perguntas eram poucas e por isso as respostas encontradas com mais facilidade.

Nessa época e nesse ambiente nasceu Pitágoras.

Sua trajetória foi polêmica. Como é a trajetória de qualquer iluminado.

Grupos de historiados divergem sobre questões importantes a respeito de sua vida.

Como nada foi encontrado que teria sido escrito por Pitágoras, criou-se grande polêmica a respeito de sua figura. Os historiadores relatam apenas que suas descobertas e ensinamentos foram transmitidos por seus discípulos, sendo o mais conhecido Aristóteles.

Segundo os historiadores seus discípulos, após sua morte ou desaparecimento, teriam transmitido ao mundo os conhecimentos Pitagóricos.

Sabe-se pelos historiadores que Pitágoras desenvolveu estudos em várias áreas:

Numerologia, Astrologia, Astronomia, Arte, Esoterismo, Religião, Matemática...

Um sábio? Mestre? Numerólogo? Astrólogo? Artista? Matemático? Religioso?

Esotérico?

Foi um Filósofo. Um ser humano iluminado pela sabedoria e dotado de precisão científica.

Suas descobertas em Numerologia extrapolaram o conhecimento disponível na época.

A Pitágoras é creditada pelos historiados a descoberta da Numerologia.

Há relatos históricos de que teria existido leituras de números que antecederam Pitágoras. Porém, essas leituras eram isoladas e restritas apenas a algumas circunstâncias.

Credita-se historicamente a Pitágoras a compilação científica dos números e suas comprovadas influências na vida humana e a elaboração de técnicas para a formulação do Mapa Numerológico Natal.

Ou seja, Pitágoras associou as expressões humanas aos números dando-lhes características humanas e desenvolveu mecanismos para elaborar um roteiro de entendimento dessas influências numéricas no decorrer da vida humana sobre o planeta Terra.

Criando assim as descrições de cada número e o Mapa Numerológico Natal.